Susepe: Curso Básico de Cinotecnia em Santa Maria/2016

Penitenciaristas na Segurança Pública

AP Mario Mercio

Agente Penitenciário Mário Mércio

15  agosto  –  mario.mercio@gmail.com

Veja todas as colunas do Agente Penit Mário Mércio

CAESA Escola do Serviço Penitenciário iiciou hoje (15/08) em Santa Maria o Curso Básico de Cinotecnia (CBC).

Com uma carga horária de 100 h/a o curso inicia hoje e finaliza no dia 26 de agosto. O objetivo é ensinar o servidor penitenciário a cuidar, alojar, conduzir e ter noções básicas de adestramento necessárias para as atividades com o uso de cães no sistema prisional.

O aluno terá disciplinas como, socialização, técnicas de patrulhas, ordem unida, noções básicas de sobrevivência, rapel, tirolesa, práticas de abordagem, limpeza de boxes com cães. Dentre outras disciplinas essenciais à formação do agente nesta área.

Foram aprovados 20 agentes penitenciários no processo seletivo do curso, sendo de diversos estabelecimentos penais do Estado.

A ESP qualificando os servidores penitenciários!

15  agosto  –  mario.mercio@gmail.com

mercio3

Fuga espetacular no presídio Regional de Pelotas

Penitenciaristas na Segurança Pública

AP Mario Mercio

Agente Penitenciário Mário Mércio

05  agosto  –  mario.mercio@gmail.com

Veja todas as colunas do Agente Penit Mário Mércio

 

Mais uma vez a engenharia prisional falha. Onde já se viu construir um presídio com tanta fraqueza na segurança? Com pátio direto para as ruas sem uma proteção maior que impeça arrombamentos de paredes?

 Esta é uma falha na maioria dos presídios do RS e bela ação de bandidos, mormente traficantes que contabilizam enormes prejuízos na sua segregação social, ali recolhidos, é lógico que não olvidarão esforços para escaparem.

PRESÍDIO45 Esse tipo de fuga já está rotineiro  e quiçá a segurança tome providências.

 Era pouco mais do meio dia de hoje, 5ª. feira quando seis presos fugiram do Presídio Regional de Pelotas (PRP), no Bairro Cohab Tablada, na zona norte da cidade.

 Um caminhão caçamba roubado atingiu de ré a parte externa de um dos muros laterais do local , que é o pátio da cadeia e permitiu que os apenados fugissem de uma galeria, onde, na sua cela, já tinham cortado as grades e ganhado o pátio. Fácil fácil assim e pelo susto até os PMs de serviço se mexerem, os apenados já estavam longe, chegando apenas a darem uns tiros na direção dos dois carros que estavam aguardando do lado de fora.

  A área foi isolada e o caminhão abandonado. As informações são da Rádio Gaúcha.

 De acordo com o diretor da penitenciária, Flúvio Bubolz, a administração já identificou r os foragidos, que são muito conhecidos na cidade  e região envolvidos com o tráfego de tóxicos furtos roubos e e assaltos.. Testemunhas disseram que o caminhão se aproximou lentamente e atingiu o muro de ré. Houve um rápido tiroteio

 Segundo uma moradora que não quis se identificar, foi possível ouvir o barulho do impacto do caminhão contra o muro e, em seguida, vário disparos. “Estou com medo até agora”, disse.

 A perícia esteve no local.

05  agosto  –  mario.mercio@gmail.com

mercio3

Aulas de criminalidade pela imprensa?

Penitenciaristas na Segurança Pública

AP Mario Mercio

Agente Penitenciário Mário Mércio

01  agosto  –  mario.mercio@gmail.com

Veja todas as colunas do Agente Penit Mário Mércio

O papel da imprensa e os excessos nas notícias divulgadas

 

Sem dúvida e pelas características democráticas em que vivemos há que se respeitar incondicionalmente a liberdade de imprensa, desde que esta não prejudique objetivos de segurança ou interfiram em assuntos policiais que não deveriam ser divulgados.

A análise da abrangência, também, da proteção dos conhecimentos sobre segurança operacional, deveriam ser segredos da polícia e não alarde das notícias.

Há vantagens em divulgações do “modus operandi” dos criminosos e da operacionalidade da segurança? Imagino que não.

Qual a vantagem da imprensa, dos repórteres, divulgarem detalhes dos crimes praticados? Na maioria das vezes o que ocorre nas reportagens sobre a criminalidade, (sequestros, assaltos, roubos ou furtos ou mesmo descobertas de tóxicos e carros furtados ou roubados) é que as técnicas utilizadas pelos marginais  e da operação que os deteve, são divulgadas em detalhes, para todos.  Verdadeira aula de como prender e como roubar patrocinada pela imprensa livre e democrática.

Quero dizer com isso que os crimes, os atos delituosos, devem sim ser noticiados sem a menor sombra de dúvida. Mas não os DETALHE das operações policiais, o acompanhamento e divulgação dessas operações e seus detalhes pela imprensa, o modo de agir dos criminosos, as técnicas utilizadas para os assaltos, sequestros, bem como como a POLÍCIA chegou até eles..

Também critico  quem na maioria das entrevistas sobre crimes, mesmo  integrantes de órgãos policiais ao serem entrevistados, muitas vezes pelo despreparo ou no afã de seu promoverem, informam todos os detalhes “ao vivo” e às vezes em “rede nacional”, detalhes esses que deveriam possuir características de sigilo para as investigações e que em nada levam de proveitoso para a população.

Essas ocorrências deveriam ser observadas pelas autoridades que se dizem entendedoras de segurança pública e da operacionalidade policial e todas as questões nela envolvidas.

Seria importante que os próprios organismos policiais divulgassem com maior frequência suas DICAS de Segurança para a população, com informações sobre locais mais perigosos da cidade, cuidados a serem tomados, procedimentos utilizados pelos bandidos e como a sociedade pode se defender disso tudo. Isso seria PRUDENTE E LOUVÁVEL. Mas nunca dizer como chegou ao bandido e nem a imprensa divulgar. Não interessa ao público saber COMO o crime foi  descoberto e sim quem são os criminosos.

As informações, modus operacional e falhas dos bandidos serão visto como “Material didático” para o aprendizado ou aperfeiçoamento do crime. Isso é um fato.

Seria implícita a leitura no jornal ao diletante criminal, como uma seção: “Aprenda as últimas novidades e pratique seu delito com mais qualidade. Veja as falhas dos colegas e a ação policial”.

Os jornais e emissoras, por defenderem seus interesses econômicos e pela própria concorrência, usam e abusam do sensacionalismo para chamarem a atenção dos leitores.

Assim, no atual quadro, não observamos ainda nenhuma autoridade se pronunciar sobre o assunto. E em um ano político, pelo menos, seria por demais oportuno que o tema fosse investigado e alardeado e também aperfeiçoado, pois a persistir do jeito que está os “alunos” têm em suas casas farto “material didático” para o aprendizado do crime, como entrevistas, filmes, gravações, escutas, tipos de golpe e de assaltos, modalidade de roubos etc.

Países mais avançados têm uma legislação que permite apenas a divulgação dos fatos, de forma apenas a dar o conhecimento com o objetivo do cidadão se proteger, ou das autoridades melhorarem a segurança.

E assim, como resultado ou consequências: os outros criminosos que assistem às matérias aprendem e podem, com os dados obtidos, corrigir, aperfeiçoar suas técnicas no crime. E isso tudo divulgado no país inteiro de graça. Um verdadeiro Curso Técnico do Crime com aulas diárias.

Esta matéria é destinada ao público em geral, aos políticos (legisladores) e às autoridades das áreas de segurança.

É preciso que a lei assegure a liberdade de imprensa, desde que essa liberdade não provoque prejuízos lamentáveis para a própria população.

01  agosto  –  mario.mercio@gmail.com

mercio3