O JULGAMENTO DE HITLER NO BRASIL, COMO SERIA?

O JULGAMENTO DE HITLER NO BRASIL

Imaginemos que Hitler pedisse o desaforamento de seu processo para o Brasil, alegando que no Tribunal de Nuremberg, os magistrados não eram isentos.
Os aliados, é claro, esperavam que aqui ele tivesse melhor sorte, pois o Supremo era a personificação da isenção.
–As provas contra o réu são devastadoras – começou falando o Procurador Geral da República.
Os jornais prognosticavam a condenação de Hitler a milhares de anos, especialmente considerando o genocídio de seis milhões de judeus.
–Aqui a estão as provas! Apresentou o livro Mein Kampf, no qual o réu expõe sua teoria de pureza genética, projetos de campos de extermínio e outras barbaridades.
O Ministro no.1 já foi logo perguntando:– Como foi obtido este livro?
–O Procurador enfático: a PF conseguiu na sede da Gestapo, em Berlin, logo depois do armistício excelência.
–Tinham um mandado judicial?
–Julgo que não, o mundo estava em guerra excelência…
–Desclassifico então, a prova foi obtida ilegalmente.
O procurador já cansado enxuga o suor com a manga de sua beca e contra-ataca:
Possuo outra prova excelências, essa é irrefutável, legal e foi um cidadão alemão que nos trouxe, em pessoa.
O ministro dois pergunta: Que papel é esse?
–A lista de Schindler excelência. Aqui a relação de judeus que conseguiram escapar do Holocausto, graças…
O Ministro cortou sua fala e perguntou: Esse Schindler era industrial, empregador, e estavam seus operários em dia com a Previdência, todos legalizados?
–Excelência, não é o caso, numa Guerra….
–Desclassificada a prova, intime-se o empregador Schindler, enquadre-o na Lei do Fisco, da Previdência e acione-se o DRT…
–Mas excelência…
–Nada de mas Sr. Procurador, V.Exa. conhece muito bem os critérios dessa Corte. A culpa do réu se comprova apenas mediante ato de ofício.
O Procurador já exausto pergunta: O que, por exemplo excelência:
–Uma ordem escrita pelo punho de Hitler, mandando transformar seis milhões de judeus em sabão!
Hitler, sortudo, nem foi preciso apelar para a delação premiada e nem pedir prisão domiciliar, MUITO MENOS RECORRER À 3a. Instância (STF). Viveu como nababos até o fim em luxuosa moradia na Lagoa Rodrigo de Freitas, bem ao lado de Copacabana, rodeado de visitas importantes da República, e, vezes outras, dançava até uma polka com suas mulheres graciosas e rebolantes..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *